domingo, 17 de janeiro de 2010

Amado meu



Amado meu
Quero amar na sutileza
destes encontros furtivos,
que fazem com que me sinta
a leoa saciada e faminta.
Quero amar nestas noites de cetim,
bebendo deste vinho
derramado sobre mim.
Quero tua boca roçando
e desvendando o corpo meu,
bebendo até a última gota
deste amor que agora é teu!
Quero te ver embriagado,
deitado sobre meu corpo,
falando palavras doces
em sussurros que são teus.
Quero te ver novamente
amante, abraçado a meus pés,
levantando levemente a cabeça,
até beber do néctar do amor
que fizeste acontecer...
Agora que tenho certeza
que estás apaixonado,
quero te ver chamando
pelas ruas, pelos lados,
este nome que aprendia ouvir
dos teus lábios:
Minha Amada...
Só assim permitirei
que tu voltes para mim,
trazendo teu corpo nu
ao encontro deste meu
e assim poderei dizer:
Só prá ti: Amado meu...
(Cida Janes)

3 comentários:

  1. EMOCIONANTE, eu também chamo o meu amor assim e é tão bom! A poesia é belíssima e as cenas deram para ser sentidas e vividas!
    O percorrer pelo corpo da pessoa amada, o toque, a febre, a paixão voraz, não tem nada igual!
    O seu blog não pode deixar de ser vermelho, minha cor predileta, que aqui caiu perfeitamente bem!
    Beijos na alma!
    Meus comentários estão perdidos nessa maravilha das poesias nem sei em que ordem, espero que encontre!

    ResponderExcluir